• Lar e Construção

    Vai reformar a casa? Receba dicas essenciais para um bom serviço

    Além de beleza, obra precisa oferecer toda a segurança e conforto

  • Chega um momento em que a casa precisa ter uma reforma e uma manutenção dos espaços. Não é somente por causa de uma beleza e uma melhora na arquitetura, mas principalmente para garantir conforto e a segurança de quem mora no local.

    Só que antes de iniciar a reforma, é necessário seguir algumas dicas que são essenciais para que a reforma seja segura e que não pese tanto no bolso. Confira o passo a passo:

    1- A contratação de um profissional:

    A regra de ouro é contar com a orientação de um profissional qualificado, arquiteto ou engenheiro, para uma avaliação das condições do imóvel e a confecção de um projeto de reforma. Uma das funções do arquiteto contratado será o desenvolvimento do projeto arquitetônico, que inclui o estudo preliminar, o anteprojeto e o projeto de execução e, eventualmente, a fiscalização da obra.

    Por sua vez, o engenheiro tem atribuições diferentes: se no projeto houver mudanças estruturais, ele será a pessoa qualificada para viabilizá-las, cuidando dos cálculos e execução de estruturas. A falta de conhecimento técnico pode acarretar danos financeiros com exageros na compra de materiais e demora na finalização do trabalho. Quando há um especialista para planejar as tarefas, o processo ganha em segurança e qualidade.

    Fidelidade ao projeto – Antes de quebrar o primeiro tijolo, é necessário ter algum profissional orientando você, todas as alterações tem de estar muito bem definidas, e para isso o morador deve apresentar suas ideias com clareza e acatar o diagnóstico sobre a viabilidade de cada uma delas. Essas primeiras conversas são vitais para o sucesso do projeto. É o momento em que o arquiteto interpreta o sonho do cliente e disso depende a tarefa de transformá-lo em realidade.

    2- Alvará de Construção e reforma:

    Quando a reforma envolve aumento ou diminuição significativa de área construída ou mudança de fachada, é necessário obter um alvará da prefeitura.

    3- Retirada de móveis, objetos utilitários e decorativos

    O máximo possível de móveis deve ser removido para um cômodo da casa, que ficará fora de uso e não sofrerá mudanças. O que sobrar pode ser coberto por lençóis ou plástico bolha, proteção eficiente contra poeira e sujeira. Eletrodomésticos, louça, roupa de cama e banho ficam encaixotados e guardados. Somente o essencial estará disponível para manter o conforto da família.

    4- Circulação de materiais

    Para facilitar o trabalho e agilizar a obra, determine um local exclusivo para entrada e armazenamento de materiais.

    5- Demolição e alvenaria

    Essa etapa inclui quebra de paredes, retiradas de revestimentos, piso, portas e janelas, remoção de entulho e levantamento de novas paredes e estruturas.

    6- Revisões hidráulicas e elétricas

    Hora das trocas e instalações de tubos e conecções para água e esgoto, conduítes, calhas e condutores elétricos.

    7- Revestimento

    Essa etapa reúne o assentamento de materiais, com a colocação de azulejos, revestimentos, mármore, além da colocação das portas e janelas.

    8- Acabamento

    Aplicação de gesso e eventuais serviços de marcenaria acontecem nesse momento, já com a reforma bem encaminhada.

    9- Limpeza Resíduos da obra são retirados do piso.

    Durante todas as etapas da construção, os profissionais devem ser orientados para a retirada periódica de entulho.

    10- Pintura

    Para evitar estragos na pintura, a última demão de tinta é aplicada após a instalação de luminárias, lustres e espelhos de luz. A operação exige muito cuidado.

    O valor de um orçamento bem feito

    Assim como o anteprojeto e o cronograma, o planejamento e o controle de gastos constituem um dos pilares para um bom andamento da obra. Com a definição das mudanças estabelecidas no projeto preliminar, o morador (ou o arquiteto, conforme for acertado) deve fazer cotações e, se possível, encomendá-los de uma única vez e no mesmo estabelecimento para obter descontos no preço à vista ou parcelamento.

    “Uma dica é que quando é definido com a reforma em andamento ou é comprado em pequenas quantidades fica mais caro”. É bom reservar uma quantia extra, em torno de 10% do total, que cubra imprevistos. Para compras suplementares, a abertura de uma conta numa loja de materiais de construções perto da obra facilita, pois na falta de qualquer item, o operário responsável faz a compra na hora e evita o desperdício de tempo que ocorreria se a tarefa estivesse a cargo do proprietário.

    Surpresas inevitáveis

    Mesmo com todos esses cuidados, a qualquer momento pode surgir algum imprevisto. As vezes a primeira obra não foi realizada de acordo com o projeto original e as alterações aparecem registradas na planta. É comum que as instalações elétricas e hidráulicas e até a estrutura não acompanhem o desenho da planta original.

    São casos em que, durante a construção, surgiram soluções alternativas ao projeto, e então, vigas ou colunas foram parar em locais para as quais não estavam programadas inicialmente. Imprevistos desse tipo costumam vir à tona quando se iniciam as demolições.

    Por isso, o roteiro de trabalho só se define no curso dos acontecimentos. Como quase sempre ocorrem fatores inesperados, o projeto preliminar recebe ajustes. O morador deve estar precavido contra possíveis obras de infra-estrutura, como a troca de encanamentos enferrujados ou a renovação completa de uma fiação elétrica antiga e deteriorada.

    Mudança de endereço

    Se as modificações se estenderem pela casa inteira, é bom que o morador se afaste do cenário, hospedando-se provisoriamente na casa de parentes ou amigos. Caso haja verba para alugar um local provisório no mesmo bairro, essa é sem dúvida a melhor opção. A proximidade de endereços garantiu o conforto de todos e permitiu o acompanhamento dos ajustes na construção.

    Morando na obra

    Para quem não tem alternativa, é fundamental reunir uma boa dose de paciência para conviver com a poeira, o barulho, as instalações precárias e os trabalhadores. Nessas condições traumáticas, o tempo torna-se crucial e o cronograma fica ainda mais importante e deve ser seguido à risca.

    É importante uma coordenação eficiente da equipe para que cada especialista entre na obra no momento certo, sem atrapalhar ou atrasar o trabalho do outro, isso evita atropelos e faz a reforma fluir com uma maior qualidade na execução dos serviços.

    Mestres-de-obras, pedreiros e serventes entram na primeira etapa; num segundo momento, é a vez de encanadores e eletricistas; que na sequência sedem o espaço para os instaladores dos revestimentos, gesseiros e por último marceneiros e pintores. Dividir a casa em setores e executar o projeto em etapas é outra solução para aliviar os transtornos.

    Dessa maneira, os moradores ocupam cômodos em sistema de rodízio. Como não se pode demolir tudo simultaneamente, é preciso fazer uma coisa de cada vez, assegurando um mínimo conforto possível. Para poupar o morador da sujeira, os profissionais procuram improvisar.

    A poeira deve ser contida com plástico grosso e transparente fixado com fita crepe sobre as frestas dos batentes e portas, mas se houver entulho é recomendável fazer tapume com uma chapa de compensado como divisória.

    Por Juliana Zamboni

    para falar com a arquiteta Juliana Zamboni

    lar@redenoticiaz.com.br

    Leia também

    Obras na Marginal do Rio Jundiaí começam em junho

    https://www.campolimpopaulista.sp.gov.br/site/
    Etiquetas
    Mostrar mais

    Artigos relacionados

    Deixe uma resposta

    Botão Voltar ao topo
    Don`t copy text!
    Fechar
    Fale conosco