• EsporteParalimpíadas

    Com direito a pentacampeonato, Brasil bate o recorde de medalhas de ouro nas Paralimpíadas

    Apesar disso, tem polêmica envolvendo a retirada de medalha dourada

  • Um sábado (4) para ficar na história do esporte brasileiro. Nas Paralimpíadas de Tóquio, o Brasil chegou ao seu recorde de medalhas de ouro conquistadas em uma edição de Jogos Paralímpicos. São 22 ao todo desde o início da participação. O destaque foi para o Futebol de 5, onde o país manteve  hegemonia e faturou o pentacampeonato da modalidade vencendo a Argentina na final.

    O penta veio em uma partida bastante tensa contra os argentinos. A primeira grande chance de gol surgiu com pouco mais de um minuto de jogo. Após sofrer falta, o argentino Espinillo a cobrou com força e exigiu uma ótima defesa do goleiro brasileiro Luan. Um minuto mais tarde, os argentinos deram outra finalização, com Deldo, novamente parada por Luan.

    Créditos: Divulgação/CPB

    O Brasil começou a reagir quando, com quatro minutos jogados, Paraná driblou três adversários e saiu na cara gol. Ele conseguiu chutar, mas um pouco mascado, mas o tiro cruzado pegou na trave e voltou nas mãos de Lencina. A essa altura do primeiro tempo, com quase dez minutos decorridos, a seleção parecia se sentir mais à vontade depois de um início nervoso.

    Na volta do intervalo, quem deu as caras foi outro personagem influente em partidas de futebol de 5: a chuva. Não tão forte quanto a da semifinal contra o Marrocos, mas suficiente para mudar a dinâmica em relação ao primeiro tempo. Ainda assim, foi o suficiente para garantir mais um ouro no futebol, o penta campeonato e com um detalhe: sem ter perdido um jogo na história das Paralimpíadas.

    Ouro inédito

    Fernando e Giovane celebram as medalhas conquistadas. Créditos: Divulgação/CPB

    Antes do futebol de 5, o Brasil havia garantido uma medalha de ouro. Ela veio na canoagem de velocidade, categoria VL2. Fernando Rufino fez a sua estreia em Jogos Paralímpicos, já que na Rio 2016, ficou de fora devido a um problema cardíaco. O sonho só foi adiado e ele veio como um dos favoritos.

    Na decisão Fernando fez o tempo de 53,077s, e dessa forma o brasileiro venceu a decisão, seguido por Steven Haxton (EUA) e Norberto Mourão (POR). O também brasileiro Luis Carlos Cardoso terminou na 7ª posição.

    Ainda na canoagem, veio mais uma medalha para o Brasil. Giovane Vieira da Paula conquistou a prata na final do VL3. O ouro foi do australiano, e grande favorito, Curtis McGrath. Stuart Wood, da Grã-Bretanha, completou o pódio.

    Polêmica perda do ouro

    Só que o sábado não foi só de alegria para o Brasil. O motivo? A troca de medalhas que Thiago Paulino teve. O brasileiro terminou a prova arremesso de peso classe F57 como campeão paralímpico. No entanto, ele ficou com o bronze na hora do pódio. Thiago teve seu ouro retirado após uma revisão da organização do evento apontando uma irregularidade eu seu arremesso vencedor. Após o ocorrido, o atleta desabafou nas redes sociais.

    Créditos: Divulgação/Getty Images.

    Por isso a medalha de ouro, que considero ser nossa, do Brasil, por direito, não está em nossas mãos.

    O brasileiro não teve direito à contestação, e nem mesmo soube qual a irregularidade que teria sido detectada. De acordo com o relato de Paulino a equipe brasileira teria revisto a prova e não conseguiu encontrar o erro do atleta.

    “Como nada em minha vida nunca foi fácil, mais uma vez levei um golpe e muito forte!! Não encontramos irregularidades em meus arremessos, mas de alguma forma a organização encontrou”.

    Outras medalhas

    O parataekondo estreou nos Jogos Paralímpicos e o Brasil teve 100% de aproveitamento na presença no pódio. Após o ouro de Nathan Torquato e o bronze de Silvana Fernandes, chegou a vez de Débora Menezes também ganhar uma medalha.

    Créditos: Divulgação/CPB.

    Na categoria de até 58 Kg da classe K44, para lutadores com deficiências nos membros superiores, a única classe presente nos Jogos de Tóquio. Ela venceu a mexicana Daniela Mariscal e a ucraniana Yuliya Lypetska para chegar à decisão e acabou perdendo a final por 8 a 4 diante da uzbeque Guljonoy Naimova. Dessa forma garantiu a prata.

    O atletismo teve dobradinha brasileira no pódio. Nos 200m rasos T11, para atletas cegas, Thalita Simplício ficou com a prata após perder da chinesa Cuiqing Liu por uma diferença de quatro milésimos de segundo. E nos 400m rasos T47, para corredores com deficiências nos membros superiores, Tomaz Moares foi prata quebrando o recorde das Américas, com 47s87, e Petrúcio Ferreira, campeão dos 100m, foi bronze com 48s04. O ouro e o recorde mundial de 47s38 foi para o marroquino Ayoub Sadni.

    Além disso, veio uma medalha de bronze com Ricardo Gomes nos 200m rasos T37, para paralisados cerebrais. Ele fez a melhor marca da carreira para chegar ao pódio, com 22s62. por fim, no vôlei sentado, Brasil disputou dois bronzes no vôlei sentado e subiu ao pódio uma vez na modalidade. A seleção feminina repetiu a posição da Rio 2016 e foi bronze ao vencer o Canadá por 3 sets a 1 neste sábado. Jani foi o destaque brasileiro e maior pontuadora da disputa pela medalha, com 18 acertos.

    A seleção masculina também manteve a posição da Rio 2016, só que fora do pódio. Os brasileiros perderam por 3 sets a 1 de virada diante da Bósnia Herzegovina na disputa do bronze.

    LEIA TAMBÉM

    Jundiaí tem um campeão paralímpico de Tóquio

    Etiquetas
    Mostrar mais

    Artigos relacionados

    Deixe uma resposta

    Botão Voltar ao topo
    Don`t copy text!
    Fechar
    Fale conosco